De Glasgow a Brighton, da Escócia à Inglaterra: forte interesse em receber Eurovisão 2023 no Reino Unido
Créditos da imagem: Pete Linforth/Pixabay

De Glasgow a Brighton, da Escócia à Inglaterra: forte interesse em receber Eurovisão 2023 no Reino Unido

18/06/2022 0 Por Bernardo Matias

Esta manhã, a União Europeia de Radiodifusão (EBU) anunciou que iria encetar conversas com a emissora BBC para que o Festival Eurovisão da Canção (ESC) 2023 possa vir a ser no Reino Unido. E, em «Terras de Sua Majestade», o interesse de cidades não se fez esperar vindo das quatro nações: Escócia, Inglaterra, Irlanda do Norte e País de Gales.

Deixamos-lhe um resumo das cidades que até ao momento se mostraram interessadas no ESC 2023 no Reino Unido.

 

Escócia

 

  • Glasgow

A cidade de Glasgow já tinha sido especulada como uma potencial alternativa para o ESC 2023 caso a Ucrânia não pudesse acolher. Após o anúncio desta sexta-feira, a primeira-ministra escocesa Nicola Sturgeon escreveu nas redes sociais: “Desejávamos que a Eurovisão pudesse ser na Ucrânia, mas entendemos que nestas circunstâncias não é possível. No entanto, consigo pensar num local perfeito nas margens do Rio Clide!! O governo da Escócia fica contente por discutir com a BBC, Câmara Municipal de Glasgow, EBU e outros”.

Já o deputado escocês Stewart McDonald revelou nas redes sociais: “Interpus uma moção ao parlamento e a candidatura para debate, apelando para Glasgow ser a cidade sede da Eurovisão 2023. A cidade é o local perfeito para acolher o mundo e para honrar o espírito da Ucrânia, vencedora de 2022. Façamos isto pela Ucrânia e por Glasgow!”.

Em Glasgow, sede do Eurovision Dance Contest em 2014, o local lógico para o ESC seria o OVO Hydro, com capacidade para até 14.500 pessoas. A sua fachada exterior foi o sítio mostrado como palco do «ESC» no filme de ficção da Netflix Festival Eurovisão da Canção: A História dos Fire Saga.

 

Inglaterra

É de Inglaterra que está a surgir maior interesse em acolher o ESC 2023. Um total de seis cidades já se adiantaram na sua manifestação de disponibilidade, incluindo a capital Londres e outras duas que já sediaram o certame antes: Birmingham e Brighton.

 

  • Birmingham

Em Birmingham, foi encetado por políticos e plataformas de imprensa locais o movimento «Bring It to Birmingham», tendo sido até já lançada uma petição através do site dos Conservadores de Birmingham. Robert Alden, da câmara municipal da cidade, considera que o facto de acolher milhares de pessoas em vigília pela Ucrânia e de ter grande experiência com eventos de larga escala internacional, “posiciona melhor Birmingham como grande candidata”. É bom referir que Birmingham foi a última cidade britânica a acolher o ESC, em 1998.

 

  • Brighton

Já Brighton, que foi palco do ESC 1974 assistindo à histórica vitória dos suecos ABBA, viu o líder da sua câmara municipal a assumir o interesse: “Seria uma honra acolher a Eurovisão em nome da Ucrânia. […]. Adoraríamos ver o evento de volta à cidade e partilhar algum do nosso pó da sorte com as próximas super estrelas globais. Agora iremos abordar a União Europeia de Radiodifusão e a BBC para expressar formalmente o nosso interesse”, disse Phelim Mac Cafferty citado pelo The Argus.

 

  • Leeds

Estreante no ESC seria Leeds, em que a First Direct Arena é operada pela ASM Global – assim como a Avicci Arena que em 2016 foi sede do ESC em Estocolmo (Suécia). Um comunicado conjunto dos vereadores de Leeds James Lewis e Jonathan Pryor a declarar o interesse: “Não é preciso dizer que Leeds irá candidatar-se a acolher a Eurovisão 2023. Em conjunto com a ASM Global, operadora da First Direct Arena em Leeds, já contactámos o governo e a BBC para discutir os nossos planos. […]. Estamos extremamente desapontados por a Ucrânia não poder acolher em 2023, mas seria uma honra acolher em nome deles, especialmente tendo em conta que West Yorkshire é casa de um grande número de ucranianos. Se tivermos sucesso com a nossa candidatura, procuraremos envolver o mais possível a comunidade local ucraniana com os nossos planos”.

 

  • Londres

Sem surpresa, a capital Londres também quer acolher o ESC 2023 no Reino Unido, tendo diversos locais possíveis como a O2 Arena, a Wembley Arena ou, mais pequena, a Cooper Box Arena. O presidente da Câmara Municipal de Londres, Sadiq Khan, escreveu nas redes sociais: “Os londrinos acolheriam a Eurovisão de braços abertos. Estamos preparados para nos chegarmos à frente e apoiar a Ucrânia acolhendo um festival que preste tributo e honre o povo ucraniano, e que também celebre o melhor britânico”.

 

  • Liverpool

A «cidade dos Beattles», Liverpool, também admite entrar na corrida para acolher o ESC 2023. A única Cidade da Música da UNESCO em Inglaterra dispõe da M&S Bank Arena com lotação de 11.000 lugares. A presidente do município, Joanne Anderson, expressou em comunicado: “Estamos solidários com o povo da Ucrânia e gostaríamos da oportunidade para Liverpool acolher o Festival Eurovisão da Canção 2023 e, fazendo-o, prestar tributo ao país maravilhoso deles. Somos uma cidade de eventos e ninguém consegue acolher uma festa como nós. Cultura é sinónimo de Liverpool e preenchemos todos os requisitos para sermos anfitriões do próximo ano […]. O evento tornar-se-ia num raio de esperança em torno do mundo e esperamos que Liverpool, como marca de música sem paralelo, seja seriamente considerada pelos decisores”.

 

  • Manchester

Ainda no Reino Unido, a cidade de Manchester quer igualmente receber o ESC 2023. Com a AO Arena e a sua capacidade de 21.000 lugares (segunda maior da Europa), a questão da arena não é nenhum problema. O líder da cidade, Bev Craig, fez rapidamente saber do interesse em acolher o certame depois do comunicado da EBU, escrevendo nas redes sociais: “Olá BBC, Manchester chama. Não são as circunstâncias que ninguém quereria tendo em conta a guerra na Ucrânia. Mas se for para ser numa cidade do Reino Unido, não consigo pensar em nenhuma melhor [do que Manchester], uma grande cidade musical e casa de uma grande comunidade ucraniana”.

 

Irlanda do Norte

 

  • Belfast

Na Irlanda do Norte, única nação do Reino Unido fora da ilha principal, não foram os órgãos governativos a expressar o interesse em receber o Festival Eurovisão da Canção (ESC) 2023, e sim o diretor-executivo da Câmara do Comércio de Belfast (antigo ministro da Economia). Simon Hamilton recorreu ao Twitter para sugerir a cidade: “Com o Estatuto de Cidade da Música da UNESCO assegurado recentemente e um ótimo registo de acolher eventos de larga escala, Belfast seria a cidade anfitriã perfeita para a Eurovisão 2023”.

 

País de Gales

 

  • Cardiff

Falta mencionar o País de Gales, em que a capital Cardiff também se propõe para o ESC 2023. O Principality Stadium recebe habitualmente rugby e futebol, mas é um estádio coberto com 70.000 lugares e, se recebesse o certame, seria a maior infraestrutura de sempre a fazê-lo. O líder da autarquia de Cardiff admitiu nas redes sociais: “O que pensamos? Reconheço que devia ser em Cardiff”. O líder dos Conservadores Galeses escreveu no Twitter que o referido estádio “seria um bom local para acolher o prestigiado festival”, enquanto o deputado de Cardiff Kevin Brennan apontou na mesma direção: “Claramente a Eurovisão devia realizar-se no Principality Stadium (fechado com telhado) Cardiff, com 70.000 espectadores – não há dúvida”.

Partilhar o artigo: