MTVA anuncia regras do A Dal 2020 sem falar do ESC e fomenta dúvidas sobre a continuidade da Hungria
Créditos da imagem: Andres Putting

MTVA anuncia regras do A Dal 2020 sem falar do ESC e fomenta dúvidas sobre a continuidade da Hungria

18/10/2019 0 Por Bernardo Matias

Entre rumores sobre a saída da Hungria do Festival Eurovisão da Canção (ESC), a emissora húngara MTVA já procura artistas para o A Dal 2020, que decorre de 18 de janeiro a 7 de março com um total de oito espetáculos em direto. Este concurso tem sido, habitualmente, o método de seleção daquele país para o certame europeu, mas a verdade é que neste momento não foi feita qualquer menção a que o seja em 2020.

Até ao dia 15 de novembro é possível enviar candidaturas para participar no A Dal do ano que vem. Os temas não podem ter mais do que três minutos de duração nem terem sido lançados antes do dia 1 de março de 2019. Por outro lado, os artistas têm de ter um mínimo de 16 anos a 18 de janeiro de 2020, serem cidadãos húngaros ou falar idioma Húngaro, e a letra tem de ser em Húngaro. No entanto, são admitidos compositores e letristas estrangeiros.

Para os grupos, é possível haver até dez pessoas em palco (o limite no ESC é de seis…). Além disso, estabelece-se que os artistas participantes terão de estar disponíveis para a MTVA até ao fim de março de 2020. Como prémio, é anunciado o Petőfi Musical Award, a hipótese de atuar nos palcos principais de dois grandes festivais da Hungria, bem como promoção na Radio Petőfi e cerca de 227 mil euros em dinheiro para gastar na carreira musical.

Referências à possibilidade de representar a Hungria no ESC 2020 são inexistentes em todo o regulamento do A Dal 2020 agora divulgado. De facto, há sinais de que poderá não ser usado para selecionar o participante húngaro em 2020, como a disponibilidade para a MTVA apenas até ao fim de março e não até ao mês de maio em que se realiza o ESC.

Naturalmente que, só por si, isso não será sinónimo da saída da Hungria do ESC, até porque existem alternativas para selecionar o representante. Contudo, a falta de confirmação oficial do país, que é um dos três participantes em 2019 que ainda não anunciaram a continuidade, deixa a questão no ar sobre se a Hungria se manterá a concurso.

Partilhar o artigo: