Todos os caminhos vão dar a Turim: Ucrânia e Kalush Orchestra

Todos os caminhos vão dar a Turim: Ucrânia e Kalush Orchestra

10/05/2022 0 Por Bernardo Matias

Na última parte da rubrica «Todos os caminhos vão dar a Turim», terminamos a apresentação dos concorrentes do Festival Eurovisão da Canção (ESC) 2022.

Pela ordem alfabética foi ditado que a Ucrânia é o último (mas não menos importante) país a ser abordado. É representada por Kalush Orchestra que apresentam a canção Stefania.

 

A Ucrânia na Eurovisão em 10 pontos

  • Sucesso quase imediato: A Ucrânia estreou-se no ESC em 2003 com o 14.º lugar. Logo no ano seguinte, venceu pela primeira vez com a canção Wild Dances de Ruslana.
  • Duas vitórias: Em 2016, a Ucrânia voltou a ganhar o ESC, desta feita com a canção 1944 de Jamala. Tornou-se, assim, o primeiro país da Europa de Leste a vencer por duas vezes.
  • Histórico de sucesso: Para além das duas vitórias, o histórico de sucesso da Ucrânia é evidente: regista outros três pódios e dois top cinco, nunca tendo falhado o apuramento para a final.
  • Idiomas únicos: O idioma Ucraniano raramente foi usado (apenas na edição cancelada de 2020, em 2021 e este ano compôs a totalidade da letra da canção do país). A par dos dialetos Surzhyk e Tártaro da Crimeia, foi uma das linguagens apenas usadas em temas da Ucrânia no ESC.
  • Pior resultado… em casa: O pior resultado ucraniano remonta a 2017, quando acolheu o certame pela segunda vez: O.Torvald, com a canção Time, ficaram em 24.º lugar.
  • Ligação à história eurovisiva de Portugal: A Ucrânia ficará para sempre ligada à história de Portugal no ESC: Foi em 2017 em Kiev que Salvador Sobral ofereceu a primeira vitória portuguesa, com a canção Amar pelos Dois.
  • Prémios Marcel Bezençon: Em mais uma prova de sucesso, a Ucrânia venceu Prémios Marcel Bezençon em quatro ocasiões: o Prémio Artístico em 2004 (Ruslana, Wild Dances), 2008 (Ani Lorak, Shady Lady) e em 2016 (Jamala, 1944); e o Prémio Imprensa em 2007 (Verka Serduchka, Dancing Lasha Tumbai).
  • Prémio Barbara Dex: A indumentária de Verka Serduchka mereceu o Prémio Barbara Dex de 2007, atribuído pelos fãs às roupas mais peculiares.
  • Regresso da seleção nacional: Na sequência do cancelamento do ESC 2020 devido à pandemia, os Go_A eleitos originalmente para esse ano foram internamente reconduzidos para 2021. Foi a terceira vez que a Ucrânia usou uma seleção interna, e este ano voltou o Vidbir.
  • Só ultrapassada por dois países nos top cinco: Com um total de sete top cinco conseguidos no século XXI, a Ucrânia só é ultrapassada pela Suécia (11) e pela Rússia (10).

 

Perfil do país (Ucrânia)

Emissora responsável: UA:PBC
Chefe de delegação: Oksana Skybinska
Estreia: 2003; Oleksandr Ponomaryov – Hasta La Vista (Resultado: 14.º lugar)
Participações anteriores: 16
Melhor resultado: Duas vitórias (2004: Ruslana Wild Dances ; 2016: Jamala – 1944)
Pior resultado: 24.º lugar em 2017 (O.Torvald – Time)
Concurso de seleção nacional: Vidbir
Representantes em 2022: Kalush Orchestra – Stefania
Semifinal em 2022: 6.º a atuar na primeira semifinal (10 de maio)

 

Perfil dos representantes (Kalush Orchestra)

Integrantes: Oleh Psiuk (Rap), Ihor Didenchuk (Instrumentais), MC KylymMen (Dança), Tymofii Mzychuk (voz, sopilka), Vitalii Duzhyk (sopilka) e Sasha Tab (coro no ESC)
Fundação: 2018
Álbuns de estúdio: 2 (primeiro: Hotin, de 2021)
Géneros: Hip hop, rap
Outras notas: Envergando o nome da cidade de Kalush, Kalush Orchestra foi um projeto lançado por Oleh Psiuk em paralelo ao Kalush, focando-se no hip hop com tons folk e elementos da música tradicional da Ucrânia. A banda acabou em segundo lugar no Vidbir, mas acabou por ser convidada na sequência de uma controvérsia acerca de uma viagem de Alina Pash a território da Crimeia.

 

Perfil da canção (Stefania)

Título: Stefania
Género: Rap, folk
Idioma: Ucraniano
Intérpretes: Kalush Orchestra
Letra: Ivan Klymenko e Oleh Psiuk
Composição: Ihor Didenchuk, Tymofii Muzychuk e Vitalii Duzhyk

Partilhar o artigo: