Vitória da Polónia no JESC 2019; Portugal em 16.º lugar
Créditos da imagem: Thomas Hanses

Vitória da Polónia no JESC 2019; Portugal em 16.º lugar

24/11/2019 0 Por Bernardo Matias

Polónia ganhou o Festival Eurovisão da Canção Júnior (JESC) 2019, pelo segundo ano seguido. O certame realizou-se esta tarde na Gliwice Arena, Gliwice (Polónia). Com o tema Superhero, Viki Gabor somou 278 pontos… Quanto a Portugal, Joana Almeida levou Vem Comigo (Come with Me) ao 16.º lugar com 43 pontos, todos atribuídos pela votação online.

Resultados:

1.º Polónia: Viki Gabor, Superhero – 278  pontos
2.º Cazaquistão: Yerzhan Maksim, Armanyńnan qalma – 227 pontos
3.º Espanha: Melani García, Marte – 212 pontos
4.º Holanda: Matheu, Dans met jou – 186 pontos
5.º França: Carla, Bim Bam Toi – 169 pontos
6.º Macedónia do Norte: Mila Moskov, Fire – 150 pontos
7.º Itália: Marta Viola, La voce della terra – 129 pontos
8.º Austrália: Jordan Anthony, We Will Rise – 121 pontos
9.º Arménia: Karina Ignatyan, Colours of Your Dream – 115 pontos
10.º Sérvia: Darija Vračević, Podigni glas (Raise Your Voice) – 109 pontos
11.º Bielorrússia: Liza Misnikova, Pepelny (Ashen) – 92 pontos
12.º República da Irlanda: Anna Kearney, Banshee – 73 pontos
13.º Rússia: Tatyana Mezhentseva e Denberel Oorzhak, A Time for Us – 72 pontos
14.º Geórgia: Giorgi Rostiashvili, We Need Love – 69 pontos
15.º Ucrânia: Sophia Ivanko, The Spirit of Music – 59 pontos
16.º Portugal: Joana Almeida, Vem Comigo (Come with Me) – 43 pontos
17.º Albânia: Isea Çili, Mikja ime fëmijëri – 36 pontos
18.º País de Gales: Erin Mai, Calon yn Curo (Heart Beating) – 35 pontos
19.º Malta: Eliana Gómez Blanco, We Are More – 29 pontos

 

Votação do júri:

1.º Cazaquistão: Yerzhan Maksim, Armanyńnan qalma – 150 pontos
2.º Polónia: Viki Gabor, Superhero – 112 pontos
3.º Espanha: Melani García, Marte – 108 pontos
4.º Holanda: Matheu, Dans met jou – 105 pontos
5.º Macedónia do Norte: Mila Moskov, Fire – 100 pontos
6.º França: Carla, Bim Bam Toi – 85 pontos
7.º Austrália: Jordan Anthony, We Will Rise – 82 pontos
8.º Arménia: Karina Ignatyan, Colours of Your Dream – 70 pontos
9.º Itália: Marta Viola, La voce della terra – 65 pontos
10.º Sérvia: Darija Vračević, Podigni glas (Raise Your Voice) – 46 pontos
11.º Bielorrússia: Liza Misnikova, Pepelny (Ashen) – 44 pontos
12.º República da Irlanda: Anna Kearney, Banshee – 39 pontos
13.º Geórgia: Giorgi Rostiashvili, We Need Love – 37 pontos
14.º Ucrânia: Sophia Ivanko, The Spirit of Music – 28 pontos
15.º Rússia: Tatyana Mezhentseva e Denberel Oorzhak, A Time for Us – 15 pontos
16.º País de Gales: Erin Mai, Calon yn Curo (Heart Beating) – 9 pontos
17.º Albânia: Isea Çili, Mikja ime fëmijëri – 7 pontos
18.º Malta: Eliana Gómez Blanco, We Are More – 2 pontos
19.º Portugal: Joana Almeida, Vem Comigo (Come with Me) – 0 pontos

 

Votação online:

1.º Polónia: Viki Gabor, Superhero – 166  pontos
2.º Espanha: Melani García, Marte – 104 pontos
3.º França: Carla, Bim Bam Toi – 84 pontos
4.º Holanda: Matheu, Dans met jou – 81 pontos
5.º Cazaquistão: Yerzhan Maksim, Armanyńnan qalma – 79 pontos
6.º Itália: Marta Viola, La voce della terra – 64 pontos
7.º Sérvia: Darija Vračević, Podigni glas (Raise Your Voice) – 63 pontos
8.º Rússia: Tatyana Mezhentseva e Denberel Oorzhak, A Time for Us – 57 pontos
9.º Macedónia do Norte: Mila Moskov, Fire – 50 pontos
10.º Bielorrússia: Liza Misnikova, Pepelny (Ashen) – 48 pontos
11.º Arménia: Karina Ignatyan, Colours of Your Dream – 45 pontos
12.º Portugal: Joana Almeida, Vem Comigo (Come with Me) – 43 pontos
13.º Austrália: Jordan Anthony, We Will Rise – 39 pontos
14.º República da Irlanda: Anna Kearney, Banshee – 34 pontos
15.º Geórgia: Giorgi Rostiashvili, We Need Love – 32 pontos
16.º Ucrânia: Sophia Ivanko, The Spirit of Music – 31 pontos
17.º Albânia: Isea Çili, Mikja ime fëmijëri – 29 pontos
18.º Malta: Eliana Gómez Blanco, We Are More – 27 pontos
19.º País de Gales: Erin Mai, Calon yn Curo (Heart Beating) – 26 pontos

 

Pontuação do júri português:

12 pontos – Holanda: Matheu, Dans met jou
10 pontos – Macedónia do Norte: Mila Moskov, Fire
8 pontos – Espanha: Melani García, Marte
7 pontos – França: Carla, Bim Bam Toi
6 pontos – Cazaquistão: Yerzhan Maksim, Armanyńnan qalma
5 pontos – Polónia: Viki Gabor, Superhero
4 pontos – Arménia: Karina Ignatyan, Colours of Your Dream
3 pontos – República da Irlanda: Anna Kearney, Banshee
2 pontos – Rússia: Tatyana Mezhentseva e Denberel Oorzhak, A Time for Us
1 ponto – Itália: Marta Viola, La voce della terra

 

O resumo do espetáculo

1. Austrália – Jordan Anthony, We Will Rise
Jordan Anthony abriu o palco pela Austrália, cantando We Will Rise. O cantor em primeiro plano, com quatro coristas a acompanhá-lo no palco, com uma atuação bem conseguida que arrancou muitos aplausos na arena e no centro de imprensa.

 

2. França – Carla, Bim Bam Toi
Seguiu-se Carla, de França. De certo um dos temas mais animados de todos, Bim Bam Boom não deixa ninguém indiferente, com a cor, movimento, dança (há quatro dançarinas com a cantora) e ritmo da canção. O entusiasmo dos fãs na arena foi visível, havendo igualmente um forte aplauso na sala de imprensa.

 

3. Rússia – Tatyana Mezhentseva e Denberel Oorzhak, A Time for Us
O único duo deste ano vem da Rússia, com Tatyana Mezhentseva e Denberel Oorzhak. Uma mensagem de união que passam com o tema A Time for Us, algo mais carregado do ponto de vista emocional do que as duas primeiras propostas apresentadas esta tarde/noite em Gliwice.

 

4. Macedónia do Norte – Mila Moskov, Fire
Segura, Mila Moskov entrou em palco com o tema Fire.  Grafismos de chamas nos ecrãs LED do chão e do fundo do palco acompanham a parte mais intensa da canção, com a qual a Macedónia do Norte procurou ‘repetir’ a façanha no ESC 2019 há meio ano alcançando o melhor resultado da sua história.

 

5. Espanha – Melani García, Marte
Após uma curta pausa, chegou a vez de Espanha. Desde cedo vista como candidata à vitória, a pequena Melani García provou mais uma vez que a sua voz é grande – ela que sonha em ser soprano lírica. Atuação convincente por parte da representante de Espanha, que transmite – em conjunto com uma encenação que nada deixou ao acaso, com plásticos presos em redes de pesca e o oceano no ecrã LED do fundo a destacarem-se – bem a poderosa mensagem contra a poluição dos oceanos do tema Marte. Um enorme aplauso na arena e na sala de imprensa no fim.

 

6. Geórgia – Giorgi Rostiashvili, We Need Love
O jovem Giorgi Rostiashvili teve a responsabilidade de defender um dos países mais bem-sucedidos do JESC, a Geórgia. Apresentou o tema We Need Love, em que a voz domina a melodia animada – o que confere um toque único a esta canção de entre todas a concurso.

 

7. Bielorrússia – Liza Misnikova, Pepelny (Ashen)
A canção da Bielorrússia, Pepelny (Ashen) foi a que se seguiu, na voz de Liza Misnikova. A cantora foi acompanhada quatro dançarinos, numa atuação ‘mexida’ que pretende passar uma mensagem de olhar para o lado bom das coisas.

 

8. Malta – Eliana Gómez Blanco, We Are More
Uma canção que, em conjunto com os grafismos do palco, pode ser interpretada como tendo um apelo feminista. Certo é que Eliana Gómez Blanco apresentou We Are More e deixou evidente novamente que Malta se empenha com afinco nas suas participações no JESC. No entanto, pelo menos no centro de imprensa a receção foi muito ‘morna’.

 

9. País de Gales – Erin Mai, Calon yn Curo (Heart Beating)
Sem Reino Unido no JESC, o País de Gales pode concorrer independentemente e fê-lo pelo segundo ano consecutivo. Desta vez, a proposta foi Calon yn Curo, interpretado por Erin Mai. Nada habitual de ouvir nos palcos eurovisivos, a língua Galesa destaca esta canção, que foi conjugada com grafismos coloridos nos ecrãs LED. A mensagem não podia ser mais apropriada para um evento musical: “Quando ganhas coragem, podes alcançar tudo e partilhar esse momento especial [de subir ao palco], com todos”.

 

10. Cazaquistão – Yerzhan Maksim, Armanyńnan qalma
Antes de as atuações continuarem, houve tempo para uma nova passagem pela ‘Green Room’. Um tema com um certo toque de ‘Disney’ e uma encenação muito bem trabalhada (inclui até uma troca de roupa!) evidenciam a forte aposta que o Cazaquistão faz. O cantor Yerzhan Maksim esteve à altura do desafio e, ainda não tinha a canção terminado, e já soavam aplausos no centro de imprensa.

 

11. Polónia – Viki Gabor, Superhero
Entra em palco a artista da casa, Viki Gabor. Dona de grande segurança, apresentou o tema Superhero. É uma proposta ao estilo dance-pop que, tal como várias outras desta edição, quis lançar aos jovens um alerta sobre a importância de salvar o ambiente (o tema termina com a sugestiva frase “We are the superheros, we can save the world”). Tal como o público na arena, a imprensa polaca fez-se ouvir com aplausos e congratulações.

 

12. República da Irlanda – Anna Kearney, Banshee
Um país com grande história no ESC, a República da Irlanda ainda não conseguiu, nem de perto, alcançar esse sucesso na versão Júnior. A aposta deste ano foi Anna Kearney e o tema Banshee. Banshee são, nada mais, nada menos, do que espíritos míticos da cultura irlandesa, mas a canção quer transmitir uma mensagem de ultrapassar os maus momentos encontrando os aspetos positivos. Uma atuação segura conjugada com a fauna e flora nos ecrãs LED do palco.

 

13. Ucrânia – Sophia Ivanko, The Spirit of Music
Criada pela própria jovem cantora Sophia Ivanko, a canção The Spirit of Music fala sobre o poder transformativo da música. A parte mais apelativa do tema da Ucrânia foi conjugada com um turbilhão de cores e luz nos ecrãs LED do chão e do fundo do palco.

 

14. Holanda – Matheu, Dans met jou
Um tema pop e uma coreografia e encenação que não foram deixados ao acaso, Dans met jou foi a proposta da Holanda. Matheu foi acompanhado por quatro dançarinos, num cenário que recriou um parque urbano. Uma atuação e canção claramente orientados para um público jovem/adolescente, indo ao encontro de um espírito ‘Júnior’ do JESC.

 

15. Arménia – Karina Ignatyan, Colours of Your Dream
Um tema criado por autores que já tiveram propostas no ESC, Colours of Your Dream foi interpretado por Karina Ignatyan. A acompanhá-la, quatro dançarinas e um cenário que explora muito a cor. Já perto do fim, foi mostrado um grafismo de borboletas na emissão televisiva e houve pirotecnia no palco, que encerraram da melhor forma uma atuação apelativa.

 

16. Portugal – Joana Almeida, Vem Comigo (Come with Me)
A dimensão do palco pode deixar Joana Almeida muito pequena. Apesar disso e da simplicidade da encenação, o talento da jovem artista não deixou de sobressair, mesmo percebendo-se algum eventual nervosismo na voz de Joana Almeida. Mais uma vez, uma mensagem a de apelo para a união na conservação do meio-ambiente.

 

17. Itália – Marta Viola, La voce della Terra
Também Itália apostou numa encenção relativamente simples e num tema de sensibilização ambiental, La voce della Terra. A jovem Marta Viola trouxe uma perspetiva da própria Terra, realçando a fragilidade e a beleza do planeta mesmo não sendo tão explícita quanto à poluição ou alterações climáticas como outras propostas.

 

18. Albânia – Isea Çili, Mikja ime fëmijëri
Em penúltimo lugar na ordem de atuação ficou a Albânia, com a canção Mikja ime fëmijëri. Barcos, aviões e um arco-íris são mostrados no palco para um tema que Isea Çili defendeu falando de algo tão propositado para esta faixa etária do JESC como a transição da infância para a idade adulta.

 

19. Sérvia – Darija Vračević, Podigni glas (Raise Your Voice)
A Sérvia encerrou o desfile com o tema Podigni glas (Raise Your Voice). Foi um final de atuações num tom um tanto quanto dramático, pela voz poderosa de Darija Vračević que está num palco em que os ecrãs LED passam das florestas para um mundo desértico em que restam alguns ícones paisagísticos construídos pelo Homem (como a Estátua da Liberdade ou a Ópera de Sidney).

 

Depois de um primeiro ‘recap’ de todas as canções, entrou em palco Roksana Węgiel – neste momento não como apresentadora, mas como cantora recuperando o tema vencedor do ano passado, Anyone I Want to Be. Após a atuação, foi apresentado o Disco de Prata ganho pela jovem polaca.

 

Teve, então, lugar mais um ‘recap’, seguido a interpretação da canção comum, Share the Joy, por parte de todos os artistas concorrentes num momento já habitual de acontecer em todas as edições do JESC. Na sequência, foi encerrada a votação online, acontecendo depois um momento de dança em que participou a apresentadora Ida Nowakowska (ela que também é dançarina).

 

Conheceram-se, então, as votações do júri. No fim, Espanha estava em terceiro com 108 pontos, Polónia em segundo com 112 pontos e o Cazaquistão liderava com 150 pontos. Tudo ainda estava por decidir, faltando a votação do público online. Aí, a diferença foi acentuada em favor da Polónia, com Viki Gabor a receber um total de 166 pontos (mais 62 do que a espanhola Melani García) assegurando o triunfo com 51 pontos de margem face ao Cazaquistão.

Partilhar o artigo: